domingo, 28 de novembro de 2010

Lula mostra, no Rio, que o circo é mais importante do que a vida

A guerra no Rio só está tendo apoio integral devido à Copa do Mundo e às Olimpíadas. Isso mostra o quanto o Brasil é uma República de Vermes. Como é que se sacrificam vidas, que se espalha o terror, apenas para poder sediar um circo?
Mais uma vez a esquerda renega o seu passado e, ao fazê-lo, não recebe críticas de seus adversários, como deveria ocorrer, mas integral apoio. A esquerda está mostrando que, do mesmo jeito que tem consenso para subir o morro, também terá consenso para censurar a imprensa ou fechar o Congresso, se quiser.
É óbvio que a esquerda defende bandido não por gostar genuinamente deles. Também os próceres da esquerda, como Mercadante, tem posses, mulher e filhas e, obviamente, não podem gostar de latrocidas e estupradores. Por isso não é surpresa alguma que seja justamente o governo Lula a subir o morro com mais violência do que todos os seus antecessores — atirando, ferindo e matando inocentes.
Historicamente, desde Lênin, o Pai de Hitler, os esquerdistas defendem bandidos apenas com o objetivo de destruir a sociedade capitalista. Uma vez no governo, eles não precisam mais de bandidos, loucos, prostitutas, gays, menores de rua, usuários de droga etc. e, como Lênin, Fidel e os demais ditadores vermelhos, põem toda essa gente em campo de concentração.
E há um dado que torna essa invasão do Rio ainda mais asquerosa: ela está tendo apoio integral também por causa das Olimpíadas. Isso mostra o quanto esse país é uma República de Vermes. Como é que se sacrificam vidas, que se espalha o terror, apenas para poder sediar um circo? As autoridades nunca foram tão determinados assim. Estão sendo por causa das Olimpíadas. Meu estômago embrulha só de ter que escrever isso.
Podem ter certeza: neste momento, nas favelas do Rio, milhares de bandidos estão sendo germinados no coração das crianças para eclodir no futuro. São os frutos da revolta, da impotência, da sensação de injustiça. Era assim no Nordeste do cangaço. A maioria dos cangaceiros tinha uma história de assassinato injusto na família quando eram crianças. Depois de adultos, partiam para a vingança e daí para o crime era um passo. 
Só pode apoiar essa operação quem a assiste pela TV. Passada a guerra civil e enterrados os cadáveres dos inocentes, os bandidos presos irão para os motéis-presídios de onde voltarão a comandar o crime nos morros com a anuência das leis e do próprio Supremo. Esse filme se repete desde 1994, quando Itamar Franco, com o apoio do seu então “primeiro-ministro” Fernando Henrique, invadiu o morro pela primeira vez.
Como não há prisão perpétua nem pena de morte neste país, e até a Lei dos Crimes Hediondos foi revogada pelo Supremo (histórico defensor de prerrogativas absurdas para os bandidos), passadas a Copa e as Olimpíadas, os bandidos estarão livres para voltar as ruas e ocupar novamente os morros.

Nenhum comentário: